Pesquisadores caçadorenses em ação no Mato Grosso do Sul

A participação das famílias pioneiras Gomes da Silva, Barros e Rondon no processo de desbravamento dos Pantanais da Nhecolândia e do Rio Negro, com a caracterização da Fazenda Barra Mansa como refúgio ecológico e cultural no Mato Grosso do Sul é o tema da pesquisa que está sendo desenvolvida pela pesquisadora Pollianna Thomé, Mestre em Geografia pela UFMS, com apoio do historiador Nilson Thomé, Mestre e Doutor em História da Educação pela UNICAMP.

A pesquisa conta com investimento do Fundo de Investimentos Culturais (FIC) do Governo Estadual, através da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. O trabalho dos pesquisadores, iniciado em julho p.p. desenvolve-se nos municípios de Aquidauana, Miranda, Corumbá, Anastácio, e Campo Grande, com previsão para ser concluído em novembro.

Existe grande expectativa sobre a planejada construção da história da participação da importante família Rondon na ocupação, desbravamento e desenvolvimento do Pantanal sul-mato-grossense, com detalhes da caracterização geográfica, histórica e cultural do Pantanal do Rio Negro, onde a Fazenda Barra Mansa representa antropologicamente o ponto de união das famílias Barros e Rondon.

O trabalho, que contempla pesquisa documental, bibliográfica e de campo, tem alavancado um cabedal de conhecimentos que se avoluma e acumula como banco de dados também sobre o artesanato e o folclore das gentes interioranas pantaneiras que não se desligam das raízes, mantendo vivas as tradições populares, as mesmas de há duzentos antes atrás.